Follow by Email

quinta-feira, 15 de março de 2012

Doenças das abelhas


Doenças são alterações no funcionamento normal do organismo, na sua estrutura ou na composição normal dos seus elementos


Como todos os animais, também as abelhas estão sujeitas a doenças infecciosas (por vírus e bactérias), parasitárias (por parasitas) e orgânicas, as menos perigosas para o apiário, porque não se transmitem de uma abelha para outra. As orgânicas são problemas de funcionamento do organismo como, por exemplo, o raquitismo e podem aparecer em abelhas de qualquer idade.




O aparecimento de doenças pode ser facilitado por diversas causas denominadas predisponentes, porque diminuem a resistência do organismo. Entre elas, podemos citar: cansaço, resfriamento, enfraquecimento, alimentação insuficiente ou defeituosa, má ventilação, frio ou calor excessivos, falta de higiene, água de má qualidade ou contaminada, etc.

Resistência às doenças

Estudos são realizados para comprovar se, realmente, as abelhas africanizadas são ou não mais sujeitas às doenças, do que as européias. Sua maior capacidade de remover rapidamente larvas e abelhas contaminadas ou mortas, no entanto, é considerada como uma boa característica de defesa.

Para evitar as doenças

Devemos, para isso, combater os vírus, as bactérias e os parasitas, tomando algumas medidas, entre as quais: limpeza rigorosa e regular, raspando e lavando as colméias e não deixando, nunca, restos de cera e outros detritos que possam alimentar ou abrigar traças, outros parasitas, bactérias, predadores, etc.

É importante realizar capinas, varrer e remover todos os detritos nos arredores das colméias, para evitar que sirvam de abrigo ou alimentos para ratos, formigas, etc., usar água com sabão, desinfetantes adequados e até mesmo lança-chamas, para colméias vazias, (levando-as para longe do apiário), o que deveria ser feito, como rotina, para desinfetar e desinfestar, pelo fogo, todo material antes de ser novamente utilizado.

O combate aos parasitas (desinfestação) deve ser feito com fumaça de tabaco, pois não podemos usar inseticidas, porque matariam as abelhas; lavar e desinfetar todos os acessórios; evitar umidade, inclinando as colméias um pouco para frente, para escorrer as águas que possam entrar pelo alvado; não colocar as colméias no chão, para evitar umidade e a entrada de bichos; isolar ou eliminar abelhas doentes.

Pessoas que tiveram contato com abelhas doentes ou material contaminado, devem ser impedidas de mexer nas colméias ou em qualquer material apícola. Quando necessário, a pessoa deve, primeiro, lidar com as abelhas sadias e somente depois, com as doentes; manter as abelhas sempre sadias e fortes para evitar que peguem alguma doença e passem para as outras.

Fonte: RuralNews, publicada em: 14/03/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário