Follow by Email

terça-feira, 29 de maio de 2012

Contato com agrotóxico torna abelha 'chata para comer', diz estudo


 Mudança no apetite afeta sobrevivência de toda a colônia.
Inseticida usado em plantações afetou também comunicação da espécie.
Do Globo Natureza, em São Paulo






Biólogos da Universidade da Califórnia, em San Diego, descobriram que uma pequena dose de um agrotóxico muda o apetite das abelhas, tornando-as “chatas para comer”. O contato com o agente químico diminuiu ainda sua habilidade de recrutar as companheiras para encontrar bons restos de comida, o que afeta a sobrevivência de toda colônia. Mudança no apetite afeta sobrevivência de toda a colônia.
Inseticida usado em plantações afetou também comunicação da espécie.
Do Globo Natureza, em São Paulo







Biólogos da Universidade da Califórnia, em San Diego, descobriram que uma pequena dose de um agrotóxico muda o apetite das abelhas, tornando-as “chatas para comer”. O contato com o agente químico diminuiu ainda sua habilidade de recrutar as companheiras para encontrar bons restos de comida, o que afeta a sobrevivência de toda colônia.
saiba mais
Extrato de colmeia de abelha impede crescimento de tumor na próstata
Abelhas usam própolis para fazer automedicação
Mudanças climáticas alteram ciclo reprodutivo de abelhas, diz cientista
Os resultados dos experimentos foram detalhados na revista científica “Journal of Experimental Biology” nessa semana.
A pesquisa aborda as implicações da aplicação dos agrotóxicos nas safras polinizadas por abelhas e lança luz sobre um dos principais suspeitos por estar por trás das recentes quedas no número de colônias de abelhas: o inseticida imidaclopride.
O agrotóxico é usado em plantações, mas já foi banido em alguns países europeus.
A equipe de cientistas testou a ação de uma pequena dose do inseticida nas abelhas, na mesma quantidade do néctar que ela costuma se alimentar, e observou que o apetite delas mudou completamente. Elas deixaram de se alimentar de um tipo de néctar essencial para o sustento da colônia, explicou Daren Eiri, autor do estudo.
“Além disso, as abelhas geralmente recrutam suas companheiras para resgatar comida e gostam de fazer movimentos como uma dança. E nós descobrimos que essas [que tiveram contato com o agrotóxico] dançaram menos”, alertou Eiri.
Os estudiosos ainda detectaram que o contato com o agrotóxico afetou o sistema de comunicação das abelhas.
“A exposição ao agrotóxico considerado seguro pode afetar negativamente a saúde das colônias de abelhas”, disse James Nieh, a professor de biologia da Universidade de San Diego, o outro autor do estudo.
 

Extrato de colmeia de abelha impede crescimento de tumor na próstata
Abelhas usam própolis para fazer automedicação
Mudanças climáticas alteram ciclo reprodutivo de abelhas, diz cientista
Os resultados dos experimentos foram detalhados na revista científica “Journal of Experimental Biology” nessa semana.
A pesquisa aborda as implicações da aplicação dos agrotóxicos nas safras polinizadas por abelhas e lança luz sobre um dos principais suspeitos por estar por trás das recentes quedas no número de colônias de abelhas: o inseticida imidaclopride.
O agrotóxico é usado em plantações, mas já foi banido em alguns países europeus.
A equipe de cientistas testou a ação de uma pequena dose do inseticida nas abelhas, na mesma quantidade do néctar que ela costuma se alimentar, e observou que o apetite delas mudou completamente. Elas deixaram de se alimentar de um tipo de néctar essencial para o sustento da colônia, explicou Daren Eiri, autor do estudo.
“Além disso, as abelhas geralmente recrutam suas companheiras para resgatar comida e gostam de fazer movimentos como uma dança. E nós descobrimos que essas [que tiveram contato com o agrotóxico] dançaram menos”, alertou Eiri.
Os estudiosos ainda detectaram que o contato com o agrotóxico afetou o sistema de comunicação das abelhas.
“A exposição ao agrotóxico considerado seguro pode afetar negativamente a saúde das colônias de abelhas”, disse James Nieh, a professor de biologia da Universidade de San Diego, o outro autor do estudo.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário